Seja Bem Vindo, 18 de Novembro de 2017

Telefone: (66) 3525-2000 - 07h ás 11h e 13h ás 17h de Segunda a Sexta

Controle Interno Informações

Adm. Pamela Rafaela Eger

Controladora Interna

O controle interno municipal é de responsabilidade da Sra. Pamela Rafaela Eger, a qual foi aprovada no Concurso Público nº. 001/2011 e empossada em 02 de abril de 2012. A servidora é bacharel em Administração pela FAF - Faculdade de Alta Floresta (2011), pós-graduada em Gestão de Pessoas (2012) e Gestão Pública (2013) pela UNED - Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Diamantino e atualmente (2017) é discente do curso de Direito na UNEMAT - Universidade do Estado de Mato Grosso.

 

Competência

O controle exerce na administração sistêmica papel fundamental no desempenho eficaz de qualquer organização. É através dele que detectamos eventuais desvios ou problemas que ocorrem durante a execução de um trabalho.

O Controle Interno, também denominado de Controladoria ou Auditoria interna, tem a função de proteger o Patrimônio Público, seguindo normas voltadas para a fiscalização e o acompanhamento dos controles, registros, e aplicação dos recursos públicos, zelando e protegendo dessa forma, o Gestor Público, de penalidades e ações futuras, dos órgãos de fiscalização do Poder Público.

O Controle Interno faz parte das atividades normais da Administração Pública, subordina-se ao titular da entidade, tendo como função acompanhar a execução dos atos administrativos indicando, em caráter opinativo, preventivo ou corretivo, as ações a serem desempenhadas com vistas a atender o controle da execução orçamentária, financeira, contábil, patrimonial e operacional, bem como os controles administrativos de um modo geral.

O fundamento do controle interno na Administração Pública Brasileira está no artigo 76 da Lei 4.320/64, o qual estabelece que o Poder Executivo exercerá os três tipos de controle a que se refere o artigo 75, sem prejuízo das atribuições do Tribunal de Contas ou órgão equivalente. O Controle Interno é função que se exerce no âmbito do poder público, podendo, para tanto, ser criado um órgão ou designado um servidor responsável pela execução da tarefa de verificar a exação dos atos de gestão financeira, orçamentária, patrimonial e operacional ocorridos nos órgãos da administração.